domingo, fevereiro 21, 2010

FC Porto - Braga, 5-1

"Somos Porto e estamos unidos"

Que melhor forma de expressar a mensagem deixado pelo Nuno na conferência de imprensa do que uma vitória categórica frente ao Braga.

O FC Porto foi mais do que uma equipa, foi uma excelente equipa. Mostrou porque é o tetra campeão nacional e mostrou também que ainda está na luta pelo titulo e que apesar de tudo aquilo que a CD da Liga possa fazer está unido e pode vencer.

Não nos deixemos enganar, não foi um Braga mais fraco do que tinha sido até este momento, foi sim um FC Porto em velocidade cruzeiro, que quer fazer destas últimas jornadas momentos decisivos neste campeonato atípico e completamente tendencioso.

O FC Porto entrou em campo com ideia de resolver cedo o jogo e foi isso que aconteceu. À passagem da meia-hora de jogo já estava na frente e 10 minutos depois já tinha vulgarizado o Braga. Até ao final o Braga apenas teve uns espasmos de bom futebol enquanto que o FC Porto, sempre com posse de bola, rasgava, triturava e, mais uma vez, vulgarizava, a equipa que era, ou é, uma das candidatas ao titulo.

Com este resultado colocámos a equipa do regime na frente do campeonato, e muito agradecidos devem estar eles neste momento, mas isso são apenas "danos colaterais", que se esperam ainda poderem ser remediados, colocando esta equipa no lugar que tem sido seu nestes últimos anos.

«Ontem, naquela conferência que vocês não estavam à espera, falou-se de união. Pediu-se: deixem-nos jogar. Isso é que é importante. Falar de coisas bonitas, como o jogo de hoje entre duas equipas que jogaram para ganhar. Demonstrámos a nossa evolução como equipa, apesar da falta de soluções. É um F.C. Porto fatigado, que jogou 14 jogos num curto espaço de tempo. Apostando nas transições fortes e na agressividade ofensiva. O F.C. Porto hoje foi excelente na forma como interpretou o plano. Provavelmente, vão tentar enfatizar o demérito do Sp. Braga. Não vão por aí. Dêem mérito ao F.C. Porto. Hoje, o Sp. Braga não conseguiu acompanhar o nosso ritmo. O mérito é do F.C. Porto, claramente. O Braga quis sempre disputar o jogo com o F.C. Porto e assistimos provavelmente ao melhor jogo desta Liga. Teve um grande público também.»
«O F.C. Porto tem dez jogos para chegar ao seu objectivo. São trinta pontos. Temos de recuperar os nossos jogadores, até porque hoje perdemos provavelmente o Fernando. Não vamos poder jogar sempre assim. Esses 30 pontos que faltam são os que nos motivam»

(Jesualdo Ferreira in MaisFutebol)

3 comentários:

low desert puke disse...

"Completamente tendencioso" é a definiçao certa. Nao sò este campeonato, mas pelo menos desde hà 20 anos para cà. Como podemos jà perceber pelas escutas, pelos sumarissimos aplicados (sò) a jogadores do Benfica nos ultimos 4 ou 5 anos quando existe uma personagem chamada Bruno Alves que se passeia pelos relvados portugueses, facturas que por engano referiam pagamentos de viagens de àrbitros ao Brasil, etc...

Parabéns pela vitòria contra o Braga. Ao menos desta vez nao houve invençoes do àrbitro e puderam ganhar limpinho.

PS: a equipa do regime era o sporting.

dragao vila pouca disse...

É disto que o povo gosta!

Um Porto Vintage, inspiradíssimo, demolidor, com tantos jogadores a fazerem exibições de nível superior, um Porto que está vivo, bem vivo e é deste Porto que eles, os que fazem as coisas pelo outro lado, têm medo.

Mas o Porto de ontem, também demonstrou, que, e ao contrário do que alguns disseram, tem plantel, gente com qualidade que está aí, pronta a aparecer para uma parte final da época que promete.

Gostaria de referir, que apesar do excelente campeonato que o Braga está a fazer, nós somos muito melhores e que os jogadores que os bracarenses têm e nós não quisemos, não têm capacidade para jogar de Dragão ao peito. Digo isto, porque durante a semana os propagandistas andaram a tentar passar a mensagem que o F.C.Porto tinha dispensado para Braga melhores jogadores dos que tinha no seu plantel. Ontem, penso eu, acabaram-se todas as dúvidas a esse respeito.

Um abraço

low desert puke disse...

"...e é deste Porto que eles, os que fazem as coisas pelo outro lado, têm medo."

Hà um paradoxo aì nessa frase. Porque quem faz as coisas pelo outro lado é o pròprio e nao eles, os outros...