quinta-feira, janeiro 12, 2006




Uma lua enorme
paira no céu pálido
da minha cidade.
Ó lua do Rio,
das perversidades
e dos desvarios.
Ó lua canina
de quem está no cio.
Lua das marés
e das meigas lésbicas
que dormem em ninhos
como passarinhos.
Casta lua esdrúxula,
teu raio ilumina
o sonho das bruxas
e estelionatários.
Lua enfeitiçada
pousada no olhar
dos visionários
Lua espermática
que clareia a insônia
das virgens cloróticas.
Trágica e trêmula
lua dos drogados.
Lua dissoluta
dos filhos da puta.
Lua dos fanchonos
ocultos nas grutas
e das bichas loucas
que elevam na noite
suas vozes roucas.
Ó lua das pobres
peruas que rondam
as rodoviárias
rodando as bolsinhas.
Galcial e esquiva
lua das donzelas,
camélias imóveis
nas altas janelas.
Impura e obscena
lua das cadelas.
Impura e obscena
lua das cadelas.
Ó lua dos gays
e reis destronados,
branca branca lua
alva como as hóstias
e as brancas mortalhas.
Asséptica e veloz
lua da informática.
Leda e altaneira
lua que alucina
galos e morcegos
entre os vales negros
que escondem boninas
e os pálidos rios.
Ó lua das ilhas
que migram à noite
para os outros mares.
Ó lua andarilha
dos caminhoneiros.
Lua de alvaiade
no céu sempre longe
da fomes dos homens.
Lua sem São Jorge
que vigia os passos
dos frades ascéticos
e gordos abades.
Lua dos lunáticos
que sonham com a lua
vagueando à noite
pelas ruas nuas.
Lua dos ciganos
que roubam cavalos
na noite tão clara
que parece dia.
Fria e imaculada
lua dos amantes
deitados em camas
que lembram navios
em cais de açucenas.
Lua dos dementes
que uivam como cães
nas noites de lua.
Ó cruel e frígida
lua dos suicidas
que alumia a morte
e escurece a vida.
Lua langorosa,
pássaro sem asas,
grande sol de prata
que guia os suspiros
das donas-de-casa.
Lua da alegria:
as cigarras cantam
pensando que é dia.
Lua virginal,
bela como o pão,
branca branca branca
da alvura de cal.
Ó lua que veste
do mais puro linho
a forma da noite,
ó lua de arminho.
Brancura! Brancura!
Lua coroada
de brancos espinhos.
É o plenilúnio,
lume que ilumina
as terras e os mares,
casas e caminhos,
e esconde na sombra
pássaros e ninhos.
E um céu disforme
se abre à alma imunda
que entra no céu
só quando Deus dorme.

Ledo Ivo
Quando fica lua cheia, fico assim. Dá-me para isto. Podia ser pior.

9 comentários:

digoeu disse...

obrigada pela visita!
;)
Lua belíssima.
;)
o texto de Ledo também é interessante!

Isabel-F. disse...

....não conhecia...e, gostei bastante de ler.

Beijinho

Inha disse...

Eu também não conhecia.

Tás nos links.;)

anedotas disse...

Podia ser bem pior, mas não há nada mais romântico do que passear à beira mar com o céu estrelado e uma lua gordinha e luzente a acompanhar!

Sulista disse...

poeta é?...sim senhor!
ganda foto e melhor música ;-D

Bom inicio de ano com mt água e boas marés para o Marinheiro!

Bjs

Marco Ferreira disse...

digoeu

obrigado pela visita

isabel-f

para mimtambém foi um pazer quando o descobri

inha

obrigada pela colocação

anedotas

concordo plenamente

sulista

obrigado e bom ano para ti também


rumem sempre aqui

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. » »

Anónimo disse...

Excellent, love it! » » »

freefun0616 disse...

酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,